Porquê estou processando a TAP

HLG_BadKidsFlight

Recentemente fiz uma viagem de 22 dias ao exterior e estava feliz da vida com a data da volta em virtude da saudade que sentia de minha esposa e filha.

No esperado dia de volta me dirijo ao aeroporto com 3 horas de antecedência para garantir que  não ocorreria nenhum imprevisto com meu embarque.

Pouco depois de chegar ao Aeroporto fico sabendo que meu vôo estava atrasado em cerca de 1 hora. Como inicialmente eu teria apenas 2 horas para fazer a conexão em Lisboa e embarcar no vôo que me traria até o Recife comecei a me preocupar.

Procurei o pessoal da TAP no Aeroporto e comuniquei o fato, sendo em seguida tranquilizado sobre o tempo de conexão.

Pouco antes do novo horário previsto para a decolagem do meu vôo vejo que este estava atrasado em mais uma hora. A partir dai já tinha praticamente certeza de que perderia minha conexão para casa.

Neste momento, já tinha conversado com vários outros passageiros que estavam na mesma situação que eu e tentávamos entender as razões para o atraso já que a maioria dos vôos saindo do nosso aeroporto de origem estavam no horário e não havia qualquer comunicado oficial da TAP sobre o motivo do atraso.

Aparentemente o que ocorreu foi que a TAP tinha dois vôos indo para Lisboa com duas horas de diferença e ambos estavam com baixa lotação. Por conta disso, algum gênio das finanças fez as contas e concluiu que seria mais interessante juntar os passageiros dos dois vôos em um só, atrasando o primeiro em duas horas.

Como era de se esperar, perdi minha conexão para o Recife e tive que passar uma noite em Lisboa.

“Com tudo pago pela TAP”, você deve pensar.

É verdade que a TAP pagou uma diária em um hotel meia boca para eu poder dormir e me deu um voucher para eu poder almoçar no restaurante do hotel mas a gentileza acabou ai.

Pela TAP eu ficaria 24 horas em Lisboa apenas com as roupas do corpo. Não tinha nenhuma roupa ou item de higiene pessoal em minha bagagem de mão e os 15 passageiros que perderam a conexão junto comigo foram coagidos a não solicitar o desembarque das malas.

O pessoal da TAP nos informou que as nossas malas já haviam passado pelo controle de segurança e que o seu desembarque demoraria cerca de 4 horas e que todos os passageiros deveriam aguardar no Aeroporto em Lisboa caso algum de nós solicitasse o desembarque das malas.

Ninguém o fez.

Para completar, o motorista do ônibus que nos levou do Aeroporto até o hotel foi extremamente mal educado com os passageiros, agindo como se estivesse lidando com imigrantes ilegais que aguardavam deportação.

Enfim, tive que comprar roupas de baixo, meias e itens de higiene pessoal para passar o dia em Lisboa e juntei todos os recibos dos gastos para acionar judicialmente a TAP por danos morais e materiais assim que chegasse ao Brasil e assim o fiz.

O atraso provocado deliberadamente pela TAP em virtude de seus próprios interesses financeiros me fez ficar 24 horas a mais longe da minha família, perder a primeira aula do semestre no curso que ministrei no Programa de Pós-Graduação em Informática da UFPB no semestre passado e ainda passar pelo aborrecimento de ser mal tratado por um funcionário mal preparado para lidar com pessoas.

Hoje tivemos a audiência de conciliação do processo que movi contra a TAP. Como era de se esperar, a TAP não apresentou proposta de acordo. A audiência de instrução foi marcada para o próximo dia 11 de Março.

Depois dessa palhaçada da TAP eu passei exatamente pela mesma situação em um vôo da Delta vindo dos Estados Unidos com conexão em Atlanta. Porém, o tratamento que recebemos (dessa vez estava com minha esposa grávida de 6 meses) foi completamente diferente. Também não pudemos tirar nossas malas porém a Delta forneceu um kit de pernoite e nos tratou tão melhor que a TAP que não senti necessidade de processá-los pelo atraso.

Por conta dessa, pretendo nunca mais voar pela TAP.

Comentários

  1. […] que acabei de relatar minha mais nova incursão judicial contra a TAP e para tentar extravasar um pouco da raiva que sinto toda vez que me lembro deste fato, vou […]