Dicas para Calouros (Feras, Bichos, etc) na Universidade

calouro

Parabéns!! Você conseguiu uma vaga na Universidade e agora se prepara para encarar 4 ou 5 anos de um curso que provavelmente definirá o seu futuro profissional.

Gostaria de lhe dar agora uma boa e uma má notícia. A má notícia é que passar na seleção para entrar na Universidade foi, com certeza, a parte mais fácil do processo. O duro será ver a luz do outro lado do túnel! A boa notícia é que, apesar de árdua, a jornada que você acaba de iniciar tem tudo para ser uma das melhores experiências da sua vida e isso depende (em grande parte) de como você vai encarar o processo.

Resolvi escrever este texto para tentar ajudar quem está fazendo a migração do ensino médio para o ensino superior na esperança de tentar diminuir os efeitos que esta mudança geralmente tem nos alunos. O que escrevo aqui se baseia na minha própria experiência como aluno de graduação em Ciência da Computação, nas experiências dos meus colegas de curso e no que tenho observado em meus alunos ao longo de quase 12 anos de experiência no ensino superior.

Enumero a seguir, sem obedecer qualquer critério de ordem, uma lista não exaustiva de dicas que considero úteis para quem está ingressando pela primeira vez no ensino superior:

  • A profundidade dos conteúdos vistos (e cobrados) na Universidade é muito maior do que no colégio e exige que você estude em casa – Isso pode parecer óbvio mas muitos alunos chegam à Universidade acostumados a tirarem boas notas no colégio apenas assistindo aulas, sem estudar em casa. Não se iluda! Dificilmente isso funcionará na Universidade. Você deve organizar suas atividades para ter uma horário diário para estudar e não deixar o assunto das várias disciplinas acumular para as vésperas das provas.
  • Os primeiros dois semestres são cruciais e podem comprometer a sua trajetória acadêmica – Muitos programas que concedem bolsas e oportunidades para desenvolvimento de pesquisas na Universidade excluem da seleção alunos com reprovações no histórico escolar ou com média (CRE) inferior a um determinado patamar (7.0 na UFPB). Muitos alunos, talvez pelo apresentado na dica anterior, acabam sofrendo com o choque dos primeiros semestres e são reprovados em disciplinas ou tem médias abaixo do esperado e acabam privados de participar dessas atividades.
  • É muito ruim ser reprovado! Muito ruim mesmo – Também parece óbvio mas isso parece não ser senso comum entre os alunos. Além de possivelmente atrasar a conclusão do seu curso, uma reprovação tem impacto extremamente negativo na sua trajetória acadêmica. Ao ser reprovado o aluno passa a ser considerado como desblocado e isso tende a dificultar o processo de matrícula pois o aluno precisa disputar vagas com alunos de outros semestres e a resultar em uma grade de horários longe do ideal. Além disso, como falei anteriormente, uma única reprovação pode privar o aluno de desenvolver certos tipos de atividades durante todo o seu curso.
  • Não desista – Hoje posso afirmar com toda convicção: a grande maioria dos alunos reprovados nos cursos que já lecionei foram reprovados porque desistiram do curso antes do final (ou da final). O aluno chega, assiste uma ou duas aulas, faz uma prova, tira uma nota ruim e simplesmente abandona a disciplina. Não aparece mais! Em uma disciplina com 3 avaliações e média 7.0 mesmo um aluno que tirou 0 na primeira prova ainda tem condições de ser aprovado. Além disso, mesmo que o aluno venha a ser reprovado, indo até o final do curso ele terá uma maior chance de ser aprovado na segunda tentativa do que um aluno que simplesmente desiste na primeira adversidade.
  • Se mesmo assim você ainda pensar em abandonar uma  disciplina, não desista – Apenas para reforçar a dica anterior. :-)
  • Não trapaceie (cole, file, etc) – A menos que você esteja fazendo um curso superior apenas para ter direito a prisão especial, trapacear na Universidade é uma grande burrice. Teoricamente, um curso universitário serve para capacitar o aluno para sua futura vida profissional. Que tipo de profissional você acha que será se você trapacear na sua própria formação?  Que tipo de salário você acha que terá (na média) esse tipo de profissional no futuro?  Quando você acha que terá tempo para estudar aquilo que você não estudou durante a sua graduação? Lembre-se de que o que está em jogo é o seu próprio futuro. Além disso, o professor geralmente percebe quem são os alunos que trapaceiam, mesmo que não os puna imediatamente, e isso pode ter também um impacto negativo na sua vida profissional. Muitas posições de trabalho são preenchidas através de indicações e dificilmente um professor te indicará para algum (bom) trabalho se te considerar um trapaceiro.
  • Procure apoio fora da classe – Se você está com dúvidas sobre um determinado assunto visto em sala de aula procure o professor ou os monitores da disciplina para conversar. Porém, você tem que pelo menos tentar entender o assunto antes de procurar ajuda pois chegar para o professor e dizer “Não entendi nada da última aula” não é muito produtivo.
  • Participe de atividades de pesquisa, extensão ou monitoria – Essas atividades são muito gratificantes e muitas vezes determinantes para o seu futuro profissional. Não é raro o aluno descobrir em um projeto de pesquisa ou extensão uma área de preferência para especialização ou atuação profissional no futuro ou despertar para a área educacional por conta de um projeto de monitoria.
  • Não deixe para fazer projetos e trabalhos de casa na véspera da data de entrega – Outro engano muito comum é subestimar o tempo necessário para realizar determinadas tarefas. Se o professor passou um projeto no início do semestre para ser entregue no final do semestre isso indica que você provavelmente vai precisar de mais do que um dia para fazer esse projeto. Sendo assim, é melhor começar bem antes da data de entrega e não na véspera (ou mesmo no dia) como parece ser prática comum hoje em dia.
  • (Para alunos de cursos na área de Computação) Você não aprende a programar apenas lendo livros ou programas – É impossível aprender a programar sem escrever programas. Você não vai conseguir aprender a programar se não sentar na frente de um computador e começar a escrever código. E você vai precisar escrever muito código para isso. Não tem outra forma.
  • Aprenda um outro idioma –  Ter o domínio de um segundo (ou terceiro) idioma enriquece substancialmente a sua vida acadêmica e também pessoal. Você deve ser capaz de pelo menos ler documentos escritos no idioma usado pela comunidade científica da sua área.
  • Participe de programas de intercâmbio – Morar fora do país é uma experiência que só quem viveu consegue entender. Hoje o governo brasileiro, através do Ciência sem Fronteiras, dá uma excelente oportunidade para ter a vivência de um outro pais, outra cultura, outra instituição de ensino e uma outra realidade. Não perca a oportunidade.
  • Aproveite bem seu tempo na Universidade – Esse é um período que não volta mais. Viva com intensidade a sua vida acadêmica.

Bom, por hora é isso. Vou atualizar o texto se me lembrar de mais alguma coisa ou se receber dicas interessantes nos comentários.

Espero que seja útil para alguém como acho que teria sido para mim se eu tivesse lido algo assim antes de começar o meu curso de graduação. :-)

Comentários

  1. Nana diz:

    Veio meio “tarde” pra mim, já estou indo pro p2, perdi 3 cadeiras, mas vou sobreviver. Sangue nos olhos agora! 😀

  2. Obrigado pelas dicas, vou começar em setembro o curso de Ciência da computação e parabéns pela iniciativa…

  3. Jean Bonitão de Areia diz:

    Muito Bom Prof. Alexandre , quem me dera se na minha época ,eu tivesse tido ao menos algumas dessas dicas ,minha vida acadêmica teria sido mais suave…rs

  4. john eric diz:

    muito legal Prof. vou cursar engenharia e pretendo seguir a risca essas dicas. Valeu mesmo

  5. Biancca diz:

    Ótimas dicas. Tentarei seguir à risca todas elas *-* . Muito obrigada (:

  6. Geraldo Sarmento diz:

    Adorei o texto Alexandre. Vou recomendar aos meus alunos.
    Abraços

  7. Bianca diz:

    Nossa! Obrigada pelas dicas, boas mesmo! 😀

  8. Valeu pelas dicas. Espero seguir todas. 😀

  9. Wallison diz:

    Ótimas dicas, ajudou muito…

  10. Thiago diz:

    Apenas agradeço, essa leitura foi em boa hora para mim.